III

Rum & Cola

Cigarro na mão
Amor nos olhos
As horas passam
E já sinto as saudades
A correrem pelo corpo

Liberto o rancor em formas de fumo
No copo é aonde a minha mente segue,
sem direção sem rumo

Poderia fazer-me à estrada,
sem me importar com nada
Entrar numa casa de bordel,
deleitar-se no calor de corpos de aluguel

[...] Só que não [...]
Sorte ou destino,
preferi tomar uma dose de Sauvignon
para salvar a paz interior
que por acaso ela já terminou...

Chefia!
Abarrote o meu copo de paz, por favor
Quero achar o meu ego e
segredar-lhe os meus pensamentos...
Sangue-sangue não se fatigam
Rum para me lembrar que sou valente
E Coca-Cola para me dizer que sou de sangue puro

IX

On-line

De manhã, o relógio marca 7hr
A luz matinal vai entrando,
escapando pelo buraco da janela
coberto por cortinas semiabertas

Cama desarrumada, lençois amarrotados
Somos cumprimentados pela luz fraca
que aterra sobre os nossos corpos
maculados, despidos como anjos

Que corpo é este, tão terno e afável, que jaz sobre o meu?
Que alma febril é esta, que me faz companhia nesta cama tão gelada como o céu?

Receio de acordá-la, mas por outro lado anseio por conhecê-la
Anseio por saber como chegou nesta cama,
e como durante a noite
ousou despir a minha solitária alma

Enfim
A calma já não reside em mim,
Chá de camomila para me acalmar,
pois peito ainda sente a repercussão daquele beijo

O coração ainda sente as vertigens
causadas pela lubricidade daqueles lábios,
rosáceos, carnudos
softs como manteiga derretida no canudo

Os nossos lábios,
como navios em alto mar
sem bússola sem vento
embateram-se um ao outro

As línguas à deriva em todas as partes do corpo,
apreciando cada onda, cada mergulho
até cair nas profundidades
das nossas profanas concavidades
Onde instigamos os gostos, odores e orgulhos
até nos afundarmos no orgasmo mútuo

Ai...
Quem é?
Mas quem é?
Será que algum dia te vou voltar a ver?

Penso nestas questões todos os dias, todas as noites
Esperando pelo momento em que entras on-line e possas me dizer novamente o teu nome...

X

À Deriva

Tentei viajar pelo país afora
Conhecer faces novas
Sentei-me com monges
Tribos
Estudei sobre religião
E fiz do meu corpo um canal espiritual
Escalei montanhas e diversas paisagens
Aventurei-me em corpos estrangeiros sem bilhetes de passagem
Mas nunca
Nunca mesmo
Me senti tão perdido
Tal como fiquei quando vi o meu reflexo
Nos teus olhos
à deriva nos devaneios da vida
Tentando preencher a saudade idealizada
Nos cantos mais tristes da vida
Com viagens marcadas só de ida...

XLIX

A Rosa e os seus Espinhos

Constelação (def.)  é conjunto de estrelas
Formado pelos espinhos do teu rosto.
Uns mais pequenos, outros mais grossos
Alguns cintilantes e extravagantes, outros envergonhados e tímidos
Uns mais próximos, outros mais afastados
Alguns agressivos e revús, outros amenos e de baixo temperamento
Cada um distinto na sua complexidade natural. Aquele que não sabe o valor deles
jamais compreenderá o valor da tua beleza, e por conseguinte o do teu amor.

- Assim disse o Beija-Flor à Flor, que chorava incessantemente ao se deparar no espelho preparando-se para colocar a maquiagem.

Como já previa o Beija-Flor, a pobrezinha teve o plano arruinado pelas lágrimas que deixaram o seu rosto numa completa lástima.
Entretanto, o Beija-Flor segurou no braço da cadeira e girou (360°) para frente do espelho. Puxou-lhe o cabelo para trás, de seguida pousou-lhe as mãos pelos ombros, inclinou-se no lado direito da pobrezinha e quando os seus olhares fixaram-se através da reflexão do espelho ele disse-lhe de forma rítmica e confiante:

"Teus olhos refletem o mar de lágrimas que em ti estão aprisionadas
à espera que se façam tempestades de choros para libertar a alma constipada
Transborda-te mulher!
Chorar não faz mal a ninguém
Não serás a primeira e tão pouco a última a sentir a lâmina desta depressão inefável
Queres falar sobre isso? Não consegues? No worries.
Serei a tua almofada companheira para enxugar as lágrimas e aliviar o luto
E se não passar agora, criamos um plano juntos para vencermos as probabilidades do futuro."

X

Oásis

Adoro quando nos encontramos ao acaso
quando sentimos a presença um e do outro na encruzilhada de olhares
e nos cumprimentamos levantando a mão fazendo um "Olá"
Perguntamos o estado um do outro com os mesmos olhares,
acenando a cabeça para as laterais
dizendo "Mais ou Menos, E que não consigo ficar sem ti por perto"
[...]
E assim as nossas conversas vão fluindo...com ligeiros sorrisos
Até nos aproximarmos, e trocarmos um longo e forte abraço
Dar-te um beijo na testa e sentir cheiro dos teus cachos
Destarte, perceber que o meu mundo orbita no teu oásis.

VIII

The Moon Behind The Grey Clouds

Her life it's like the vast sky full of clouds in the night's eve.
There is no stars, there is no shine.
There is nothing beautiful in it.
Only the fresh winds along with sad memories. So do I when I look at her.
I see nothing but her pale face like a moon hidden behind grey clouds.
Shy of its own beauty.
Scared with the scars she was blessed with
My sweet darling. Your life is like the sky full of clouds in the night's eve. You, the moon, decide if you keep glowing or not.
Doesn't matter what you do, or what you feel. Let the spectrum of your lights reflect in the water.
You shall set free the lights present in the holes of your body.
You shall ignore the ones that do not appreciate you the way I do
Because, in the darkest nights I will not lose my mind, nor I will lose you...
Just keep the lights of your holes on.
In case if I get lost in the water that your spectrum reflects on.

VII

Bilhete de Passagem

Uns viajam para esquecer, eu viajo para recordar
Quer das tristezas, quer das felicidades
Para espairecer, me achar
Tanto das vivências, quer das afinidades

Diga-se de passagem que o futuro actual é a miragem do passado
Por isso, escolho diariamente viajar na reminiscência do nosso amor
E como preço tenho vislumbres das tempestades e turbulências
Rezando que os ventos tragam nos seus sopros o teu odor
Para que, pela última vez, possa me confortar nas recordações,
aquando sentávamos no pátio
Falando por horas afinco
Eu e as minhas anedotas
Tu e os teus sorrisos
Dois rostos cheios de vincos

É também adormecer nos sopros dos ventos
E lembrar daquilo tudo que nos aconteceu
Dos abraços que não demos, das discussões que tivemos
O que somos agora é o fruto de um adeus mal dado
De um amor mal retornado
E inclusive do apego forçado

Bilhete de Passagem (def.)
é quando deixo o presente para embarcar nas tuas histórias
Descalço, correndo por ti, entre as nebulosas trilhas
Na falta de guia, vou seguindo o relógio sem me preocupar com as horas
Falando sobre planos, até que se faça chover utopias.

XXII

Confissão de uma Saudade

Guardei o teu beijo, o teu abraço...
Confesso!
Guardei os teus sermões, a tua grossura...
Amei-os, confesso!
Guardei os teus gemidos, e as marcas das tuas unhas...
Confesso!
Guardei  o teu cheiro pela casa e a tua bagunça...
Ainda cá estão, confesso!
Guardei e ainda alimento o teu gato...
Meu companheiro, confesso!
Guardei as tuas desculpas, e a tua inocência...
Guardei e costumo a ver os nossos Snaps, Stories, fotos e vídeos
Guardei as tuas cuecas, calcinhas, soutiens
Guardei as chinelas, as jeans, as camisas da Burberry
As pulseiras, relógios, brincos e fios de ouro
Guardei tudo o que pude de ti!
Se sinto saudades tuas? Sim, confesso!
Confesso tudo e mais pouco.
Confesso que ainda durmo no nosso quarto, despido e aposentado em memórias e cheiros
As imagens aparecem nitidamente tal como se ainda estivesses aqui...em vida
Às vezes o gato mal consegue comer, sair de casa e percorrer umas milhas, tal como fazia contigo
Aliás, todos nós sentimos a tua falta. Eu, o gato, a casa, as flores, e o filho que nunca tivemos
Eu entendo a tua partida
Mas o vazio que deixaste é indubitável
Pois ele ainda está fresco e apalpável...

VII

Amor sem destinatário

É o caso dos acasos
Do destino mal destinado
Sem remetente, sem destinatário
O amor mal premeditado que vive no açúcar amargurado

São tantos encantos,
Que no entanto
A gente deixa por aí...num canto
E quando alguém o encontrar
A gente vai tentar lhe reivindicar através de prantos...

Há tanta coisa absurda
Mas ainda assim o mundo nos julga
Pela pessoa que a gente se debruça
E escolhe em ser o seu pintor:
Pegar nos seus defeitos e torná-los em algo maior...

Amor vem, amor vai
Somos frutos do acaso
Nascidos sem mãe sem pai
Num mundo vulgar
Sem alguém que nos possa educar o propósito de realmente amar!