Devoradora de Livros

Devoradora de Livros

Ela é cidadã do mundo,
o seu passaporte são livros...
Vermelhos, azuis,
verdes, pretos,
brancos ou amarelados.
Alguns destes são novos,
velhos, de bolso ou grandes.
Certeza há, que todos
são diplomáticos.


Apesar de gostar de café, o chá verde sem açúcar com um pitada de mel e limão, é a combinação ideal para uma manhã de leitura.
Ela faz de conta que é uma rosa à mercê dos ventos. Ora navegando entre o céu e o mar, ora atravessando dunas e montanhas. De tanta imaginação, ou ela adormece com o livro no outro lado da cama, ou não se apercebe da chávena quente que repousa sobre as folhas do livro, fazendo com que elas vão ganhando áurea em forma de manchas.


Não há necessidade de impor metas. Ela não deve ser forçada, idem. Quando a leitura é prazerosa, ela é naturalmente incentivadora. - dizia ela.

Ela possui livros para tudo e inclusive para qualquer ocasião. Livros de cozinha, de empoderamento, elevação profissional, livros para se ler num sábado de praia, no banheiro, livros de bolso para se ler no candongueiro... até a Bíblia ela lia. 

Certa vez ao andarmos pela rua, avistou vários livros estendidos no chão a serem vendidos por um senhor com um pouco mais de meia idade. Virou bruscamente de direcção e quando lá chegou, pôs-se a contemplar pelos títulos para ver se reconhecia pelo menos um.
- Aha! - exclamou ela depois de algum tempo perdida e indecisa a olhar para tantos livros.
- Passa-me aquele, senhor. - disse ansiosa.
Ao segurar o livro, notei que era bastante amarelado, a capa estava murcha e a ceder aos bocados...
- Quero este! - gritou apreensiva, sequer ter acabado de ler o prefácio.
O senhor olhou para ela admirado pela sua energia. Então os dois puseram-se a olhar para mim. O senhor a querer receber o dinheiro e ela a querer levar o livro para a casa.
- Quanto custa? - perguntei eu extremamente hesitante.
- 3000kz.
- Não tenho o suficiente!
- Quanto tens?
- (olhei para a carteira) 2000kz... e com as moedas tenho (meti os dedos no bolso de moeda da jeans)... 2300kz.
- Eu tenho 1000kz.
- Não é suposto ser para o táxi?
- Não faz mal. 

Tendo já efectuado a compra, continuamos a descer pela Avenida Brasil. Uma vez mais, ela parou de repente. Abriu-o, deu um soprou e umas tapas. Revirou algumas páginas e de seguida encostou o livro no seu rosto e inspirou tão profundo como se fosse analgésico. De seguida, expirou lentamente apaixonada, como se contente estivesse pelo orgasmo causado.
 
E foi assim que aprendi algo interessado sobre ela. Que quanto mais poeirentos e velhos fossem os livros, mais saborosos e nostálgicos seriam os seus conteúdos